Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Três meses de vida

Num abrir e fechar de olhos já se passaram três meses. Três meses repletos de descobertas, alegrias, fortes emoções e sem deceções. Um bebé não dececiona. O meu filho não me dececiona. Tudo nele me faz feliz. Tudo nele me orgulha. Está crescido, muito crescido. Pesa 6,750Kg e mede 62cm. Está com bom aspeto. Um rosto redondo, moreno e limpinho, sem marcas, bolhas ou manchas. Todos dizem que está grande, que parece ter 5 ou 6 meses. É verdade. É um bebe crescido, mas ainda muito bebé. O seu rosto não engana, ainda é muito pequenino. Mas a cada dia vai se tornando mais crescido, mais adaptado ao seu novo mundo. Segura a cabecinha na perfeição. Gosta de estar de pé. Ficaria assim se nós o permitíssemos a maior parte do tempo. Gosta de observar tudo o que o rodeia. Apercebe-se do que é novo, diferente das suas rotinas. Adora estar com o pai e a mãe, no conforto do seu lar. É onde ele é ele próprio. É onde se sente bem. É onde ri e palra como se não houvesse amanhã. É um bebé feliz. Alegre, bem-disposto e divertido. Cada vez mais grita quando está eufórico. Sabe chamar quando está sozinho e quer companhia, e faz uma cena de choro sempre que vai dormir à noite. Fica cansado, muito cansado do dia, das novidades que está sempre a conhecer. Gosta de ver televisão, o Panda e o Disney Júnior. Ri-se para a televisão. Zanga-se com a televisão. Já fica sozinho, entretido com a fralda e as suas mãos que leva desesperadamente à boca. Sou feliz. Estou feliz por estar com ele, por ser sua mãe. Ainda assim estou cansada. Muito cansada. Acorda todos os dias de noite para mamar, de 3 em 3horas e por vezes menos. Mas saber que é saudável, que está a crescer bem e ver o seu grande sorriso sempre que olha para mim supera todo e qualquer cansaço. Os dias são intensos e passam a voar. Sei que antes a minha vida era diferente. Tinha tempo para mim, para os meus pensamentos, planos e projetos. Nos últimos meses até pensar me cansa, nem para isso tenho tempo. Mas já não me recordo de como era a minha vida antes. O meu filho ocupa uma parte de mim que não sabia estar vazia. Não concebo o mundo sem a sua presença, o seu sorriso, o seu palrar. Amo-o tanto. Só desejo que ele sinta o mesmo por mim.