Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Como escolher um curso superior? Razão ou emoção?

transferir (1).jpeg

Contacto com frequência com jovens que se sentem confusos quanto às opções vocacionais que têm para realizar. Não é uma realidade anormal, se pensarmos que míudos de 14/15 anos têm de escolher a área de estudos na passagem do 9º ano para o 10º ano. Se há pessoas que desde pequenas sabem (ou pensam que sabem) o que querem para o futuro, há aquelas que já quiseram ser muitas coisas, mas que na hora H têm medo de decidir e não querem coisa nenhuma. Menos frequente, são os casos daquelas que são boas em muitas áreas, gostam das várias opções e não sabem como escolher.  Depois desta primeira escolha, a 2ª acontece no final do 12º ano. A grande maioria dos jovens que está indeciso, sabe apenas que quer prosseguir com os estudos. É pouco frequente a dúvida entre continuar a estudar ou não, quem não quer estudar geralmente está muito decidido quanto a essa questão. Nesta fase, os jovens já frequentaram uma área de estudos e já se encontram de algum modo limitados nas opções que podem fazer, devido às disciplinas de acesso ao ensino superior e também pelas médias que têm. Infelizmente, isto acontece muitas vezes. Não são os jovens a escolher os cursos que querem seguir, mas antes a média que conseguiram com o ensino secundário e com os exames nacionais a fazê-lo.  

Quando se fala em escolher o curso superior, é inevitável refletir sobre a velha questão. Como escolher? Devo optar pela área que gosto (ou que penso que gosto) ou por uma área que esteja associada a maior empregabilidade? Neste momento, a realidade Portuguesa, com a baixa empregabilidade que têm os jovens licenciados, quase resolve esta questão por eles. Há poucos cursos associados a elevada empregabilidade. Ainda assim, há aqueles que claramente são sinónimos de desemprego efetivo, há já alguns anos e muito provavelmente no futuro também. Ver um jovem escolher um curso destes é como vê-lo suicidar-se, mas quando as pessoas querem mesmo fazê-lo não há muito a fazer. Com frequência vêm com a conversa do "mas se formos muito bons, conseguimos sempre emprego", pois, eu tenho sérias dúvidas. Até é possível, que sendo bons ou muito bons consigam algo semelhante a um trabalho, mas se se trata de uma área sobrelotada e com baixos índices de empregabilidade dificilmente será possivel conseguir um trabalho com condições adequadas, satisfatórias e bem remunerado. 

Apesar de esta questão já ser velhinha, parece-me que não é dada a importância adequada à mesma. Quer por parte das escolas, como dos pais. Frequentemente, as famílias esperam respostas de testes vocacionais, que não são mais do que testes de preferências, de interesses e que pouca informação relevante dão. A verdadeira descoberta tem de vir do próprio e deve resultar de um processo amadurecido de pesquisa e reflexão sobre si mesmo e as opções que o mercado tem para oferecer. No entanto, pelo que vejo, isto poucas vezes acontece, especialmente em quem mais precisa - os que têm dúvidas e não sabem o que querem para o futuro. Parece-me muitas vezes que querem continuar sem saber e que preferem que alguém decida por eles. É frequente encontrar pessoas que estão a concluir licenciaturas e que dizem "se fosse agora não vinha para este curso", ou que estão formadas e não se sentem realizadas com a área que escolheram. Já para não falar daqueles passam anos a trocar de cursos e depois acabam por fazer algum ou nenhum. Se há jovens que vivem isto com alguma leviandade, a verdade é que para outros isto é uma grande fonte de sofrimento. É assustador aos 30 anos perceber que não se está formado ou a trabalhar na área que realmente gostaria de trabalhar, quando se percebe que se fez a escolha errada. Claro, que com 30 anos ainda se é novo, mas também já não se é tão jovem para abandonar tudo e recomeçar. Depois há aqueles que se arrependem de terem optado pelo que gostavam porque a área não oferece as condições de vida que gostariam e ficam a assistir ao sucesso dos outros, mas por algum motivo é dificil mudar o percurso e recuar ou abandonar. Acho que já todos conhecerem pessoas nesta situação. 

Mas e quando conhecemos alguém que é e sempre foi bom aluno, que gosta de várias áreas, que está a estudar num curso de prestígio e de maior empregabilidade, mas que sente que esse pode não ser o seu caminho. Como decidir? Como tomar a decisão de abandonar um curso que oferece emprego e reconhecimenro, por um outro cujas expetactativas são menos positivas? Será uma opção adequada? Será racional ou emocional? Dever-se-à ir em frente, caminhar no sentido das boas condições de vida em troca da insatisfação e frustração? Mas, e se a troca de cursos resultar no futuro em empregabilidade precária e condições de vida menos favoráveis, como é que se vive com a escolha passada de ter trocado o certo pelo incerto? Conseguirá a satisfação com a área de trabalho sobrepôr-se à falta de dinheiro, à precaridade, às condições menos aliciantes? É uma situação muito delicada. Infelizmente, existe quem esteja nesta situação. Imagino que aqui a dúvida, a angústia e o medo sejam muito superiores àqueles que se vivem no 9º e 12º anos. O que fazer? Como gerir?