Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Exposição irresponsável

i54040.jpg

Desde tenra idade me recordo de os meus pais terem cuidados redobrados quando nos ausentávamos de casa para férias, fins-de-semana ou para uma simples noite fora de casa. A estratégia, dependendo da situação, podia passar por deixar uma luz ligada, a televisão ligada de forma a serem vistas sombras e luzes pelas janelas, deixar as janelas e os estores fechados e trancados, os portões fechados, ou pedir a algum familiar ou vizinho que fizesse uma ronda à casa e que estivesse atento à possibilidade de algum assalto. O que os meus pais nunca faziam era anunciar que iam para fora. E nós, as filhas, tínhamos essa recomendação. A ideia era não tornar a casa vulnerável a assaltos. Os meus pais achavam que se poucas pessoas soubessem que estávamos fora, menor a probabilidade de essa informação chegar a algum possível larápio e de termos uma surpresa negativa no regresso. Confesso que muitas vezes achei ridículas as recomendações, mas ao fim de algum tempo fui me habituando e hoje em dia compreendo. Na minha casa, quando estamos fora, a estratégia é sempre fechar tudo o melhor possível e deixar os pais e sogros de alerta, com uma chave suplente para o caso de ser necessário ir lá a casa. Poderá não ser a melhor estratégia, poderá não ser 100‰ eficaz, mas parece-me adequada. O que não me parece nada, nada adequado é apregoar aos sete ventos que a casa está sozinha e abandonada. Anunciar aos larápios que podem ir até lá a casa, que não vão encontrar ninguém e que até vão ter alguns dias para estudar a melhor forma de fazer o serviço sem serem notados. Mas, há quem faça isto? Claro que há, cada vez mais. Todos os dias vejo no meu facebook pessoal a anunciar “no aeroporto Sá Carneiro a caminho de .. Cuba, Rio de Janeiro, Faro, Barcelona, México”… e outros tantos destinos maravilhosos. Não tenho nada contra publicar as férias e anunciar o período relaxado que têm pela frente, mas acho que muitas pessoas o fazem sem pensar sequer nas consequências que podem estar associadas a esta gratuita e irresponsável exposição. Anunciar que se vai estar de férias é anunciar também que a casa vai estar desabitada. É verdade que quando colocamos no nosso facebook a informação estamos só a partilhá-la com os nossos “amigos”, mas a verdade é que muitos têm milhares de “amigos” e quando algum desses “amigos” comenta o post, essa informação também chega aos “amigos” desse “amigo”, ou seja, a informação flui muito rapidamente e a verdade é que nunca sabemos a quem vai chegar e o que cada um pode fazer com isso. Estarei a ser exagerada? Cética? Pessimista? Talvez, mas quem pode garantir que não tem entre os seus “amigos” algum larápio ou alguém capaz de entrar na casa de outros para sair de lá com algum presente? Eu, apesar de ter poucos amigos no facebook e praticamente todos serem pessoas com quem tenho ou já tive contacto direto, não o posso afirmar, e como tal opto por não arriscar. Se a casa um dia for assaltada (o que é possível), não será por ser eu a convidar os assaltantes a entrar.