Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Coragem ou Cobardia?

Brittany tem uma forma de cancro cerebral muito grave. Foi informada, aos 29 anos, que teria apenas mais 6 meses de vida. Brittany mudou de Estado para poder ter opção de escolha. Brittany escolheu morrer a 1 de Novembro.

Esta decisão só a ela diz respeito e como tal deve ser respeitada, mas acredito que seja muito polémica. Muitos considerarão que ela não o deveria fazer, que deveria fazer os tratamentos, lutar contra a doença e aceitar a sua condição atual. Outros, certamente que a admirarão e gostariam de na sua posição poder ter a mesma opção de escolha.

Eu não imagino o que será aos 29 anos receber uma sentença de morte, justamente quando se está na flor da idade. Com 29 anos eu estava casada e grávida do meu filho. Com 29 anos tinha e continuo a ter o mundo pela frente, tenho projetos, planos e muitos objetivos a concretizar. Tirarem-me o futuro e tudo o que ele representa seria assustador, tenebroso e impensável. Infelizmente, muitas pessoas lidam diariamente com esta realidade. Uns mais novos, outros mais velhos,.. uns lutam, outros entregam-se à doença,.. mas e se pudéssemos marcar o dia da nossa morte e escolher a vida que queremos ter até lá? Eu gostava muito de ter esta opção, embora acredite que as experiências não seriam vividas com a mesma alegria e felicidade de outrora. Ainda assim, acho que me sentiria satisfeita por poder escolher e viver os últimos meses da minha vida a fazer o que gosto. Estar com o meu filho e o meu marido, passear, viajar, dizer que amo, divertir-me, quebrar as regras, tirar fotografias, e tantas outras coisas,.. Embora ter a morte marcada seja assustador, penso que poderá ser apaziguadora a ideia de nos podermos despedir devidamente de quem amamos, de podermos dizer tudo, pedir desculpas, elogiar, expressar o que sentimos, escrever cartas, deixar o nosso testemunho. Espero que um dia todas as pessoas, numa situação idêntica, possam ter esta opção de escolha.