Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

A vida normal: a vida que todos queremos

A vida normal

Carla Machado, in Publico, 2006 (https://carlapmachado.wordpress.com)

 

“Todos passamos a vida a desejar a vida que não temos. Queixamo-nos do emprego, dos colegas que são chatos, do chefe que não nos dá valor, do muito que trabalhamos e do ordenado que é fraco. Reclamamos do tempo, que chove e não se pode ir à praia, que não chove e faz mal à agricultura, do sol que é pouco ou demasiado, do suor, do frio e do vento, do calor que nunca mais vai embora e do Verão que nunca mais chega. A família cansa-nos, mas odiamos quando esta nos ignora; dizemos mal do amigos sem os quais não sabemos passar; suspiramos pelo fim do serão em que as visitas vão embora mas despedimo-nos combinando um novo jantar. Estamos fartos dos filhos, mas passamos o tempo a falar deles e a mostrar as suas fotografias aos amigos. O barulho que fazem enlouquece-nos, mas o silêncio da sua ausência é insuportável. Queixamo-nos do marido ou da mulher, que não são como dantes, que nos irritam, que não nos surpreendem, mas suspiramos quando nos faltam e reclamamos quando fazem alguma coisa com a qual não contávamos. Estamos no Algarve a suspirar pela frescura do Minho, no Minho damos por nós desejosos da brisa costeira, na cidade irrita-nos o artificialismo e em Trás os Montes formigamos com a ânsia de fugir à ruralidade. E do país, todos nos queixamos do país até ao momento em que “lá fora” concluímos com um orgulho disfarçado que realmente “comer, comer bem, só mesmo em Portugal”. De queixume em queixume, passamos pela vida muitas vezes sem deixar verdadeiramente que a vida nos atravesse. E só quando somos roubados ao quotidiano que tanto maldissemos damos conta do tempo que perdemos nos lamentos sobre o tempo que os outros nos fazem perder.

Há pouco mais de um mês, numa consulta que era suposto ser de rotina, foi-me diagnosticado um tumor. Felizmente benigno, como soube após 24 horas de espera. E tal como seria de prever, naquele momento inicial em que o espectro de algo mais grave ainda não tinha sido afastado, o meu pensamento imediato foi: “mas afinal porque é que eu estou aqui, afundada em Braga a trabalhar, em vez de ter já há muito tempo fugido para Bora-Bora?”. Passado contudo tal instante, e nas 23 horas que se seguiram, foi da vida normal que tive saudades antecipadas. A vida normal: trabalhar, ir ao cinema, abraçar quem amo, rir-me das pequenas parvoíces do quotidiano, ver a minha filha a dormir e sentir o seu cheiro. A vida normal está aqui mesmo ao lado. E aposto que Bora-Bora tem imensos mosquitos.”

 

Li esta crónica pela primeira vez pouco tempo depois de ter sido publicada no Público. Falei algumas vezes com a autora, mas não tínhamos qualquer relação. Porém, convivo de perto com pessoas que lhe eram muito chegadas. Sei que era uma profissional excepcional, uma pessoa extremamente dedicada, empenhada e brilhantíssima. Contribuiu de forma inegável para o desenvolvimento de temas relevantes no âmbito da Psicologia da Justiça e era uma peça fundamental no curso de Psicologia da Universidade do Minho. Era esposa e mãe de uma menina. De forma indireta acompanhei a evolução da doença que atingiu a professora Carla. Recordo-me que pouco antes da recaída que finalizou o seu percurso, ela parecia completamente recuperada e tinha retomada as suas muitas funções na universidade - docência, investigação, supervisão,.. - e eu recordo-me de achar estranho o facto de ela ter passado por tanto há tão pouco tempo, de ainda não estar totalmente recuperada, e optar por passar os seus dias a trabalhar, ao invés de passear, viajar, ou fazer aquelas coisas que todos nós pensamos que faríamos se soubéssemos que a nossa vida está ameaçada. No entanto, este texto que ela escreveu cinco anos antes de falecer, e ainda antes de toda a sua luta iniciar, ilustra na perfeição que a “vida normal” é o dá sentido à vida, é o que todos nós desejamos e é o que nos faz sentir vivos. É aquilo que desvalorizamos a toda a hora, a vida de que passamos o tempo a queixar-nos, mas a vida sem a qual não queremos viver e que desejamos ter de volta sempre que nos vemos impedidos de a viver. Recordo-me com muita frequência desde texto, acho que tem uma mensagem fantástica e por isso achei que seria  importante partilhá-lo. (A professora Carla Machado faleceu em Fevereiro de 2011)