Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

Trivial e Singular

Um blog simples e único sobre as trivialidades e singularidades da (minha) vida

A gravidez - a noticia

Depois da grande decisão de fazer um filho toca a colocar o plano em marcha. 

A primeira fase passou pela consulta de pré-concepção, que consiste no esclarecimento de alguns aspetos clinicos, numa avaliação e na realização de exames e análises para assegurar que está tudo bem com o pai e com a mãe. Para mim, esta consulta foi especialmente importante por ouvir o médico explicar que só temos de nos preocupar com alguma possivel infertilidade após um ano de tentativas. Este era um dos meus maiores receios.. "e se sou estéril?", "e se nunca vou poder ter filhos?".. confesso que até engravidar me senti assombrada por este pensamento. Concluida a fase de avaliação e certificando que está tudo ok, eis que começa a desintoxicação da pilula e e a toma do ácido fólico. Três meses depois começam as tentativas. 

 

Nós encaramos esta missão de forma muito natural. Não estudamos os dias em que deviamos fazer sexo, nem as temperaturas, deixamos que tudo fluisse de forma espontânea,..  e por incrivel que possa parecer quando a menstruação surgia não faziamos um drama ou ficavamos a pensar que não iamos conseguir. Simplesmente continuavamos. 

 

Um dia estava eu trabalhar e deparei-me com uma convocatória para dádiva de sangue (algo que já fiz muitas vezes, mas que não tem acontecido nos últimos três anos). Pensei de imediato, "já que nesse dia tens disponibilidade, tens de ir". Eis que vou mais uma vez analisar os fatores que impedem a dádiva, para me assegurar que não tinha desenvolvido nenhum e é então que vejo "gravidez" e penso "será que estou grávida? se estiver não posso dar sangue". É então que me cai a ficha e fico a pensar "quando tive a última menstrauação?". Vou à agenda ver a última data assinalada, conto os dias e constato "já não estou menstruada há mais de 35 dias. Será que estou grávida? Será? Já??". Isto era algo que eu queria muito, mas pensar que poderia estar a acontecer deixou-me super ansiosa. Perdi toda a concentração, tive de parar o que estava a fazer, sentia-me a tremer, e decidi ir à farmácia comprar um teste (o primeiro da minha vida). Faço o teste em casa, sempre a olhar para a evolução dos tracinhos.. apareceram dois na vertical e eu só penso "será que estou a ver bem as legendas?", "estou grávida?? estou grávida!! não acredito!!". Assim de repente, começo a dar voltas à casa, agitada e irrequieta, sempre a pensar "a sério?! é mesmo verdade?! não acredito! não é possível!". Não sei dizer o que estava a sentir. Foi um misto de emoções, por um lado a concretização de um sonho, por outro a concretização de algo que me parecia tão longínquo e distante. 

 

Nesse dia, como é óbvio, não consegui fazer mais nada, não trabalhei, nem me concentrei em nada. Estava sempre a pensar em contar ao meu marido, mas ele estava a cerca de 400Km de distância com outras pessoas. Decidi então ir ao shopping comprar um par de meias de bebé azul e outro rosa e coloquei-os numa caixinha, que embrulhei e preparei como presente para o meu marido. Quando chegou ofereci-lhe o presente e como é óbvio, ele nem desconfiava e ficou como eu. Estavamos os dois em choque, numa espécie de pânico encoberto, um pouco abananados com esta noticia. 

 

Confesso que desde que iniciamos este processo, este foi o dia em que me senti mais estranha. Não sabia o que pensar ou o que sentir. Eu habitualmente sei definir muito bem o que sinto, mas naquele dia foi algo surreal, não sei mesmo que sentimentos eram os mais fortes. Nos dias seguintes olhava para a minha barriga e pensava "é mesmo verdade? não acredito!", mas gradualmente fui acreditando e foi-se tornando numa coisa tão boa que eu só queria guardar para nós. 

 

Não sei explicar porquê, mas quando realizei que estava mesmo grávida e a gerar uma vida dentro de mim queria muito manter esse segredo, não sentia necessidade de partilhar esta informação, como se desta forma aquele bebé fosse manter-se para sempre só nosso.